quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Derretimento das geleiras na Antártida estão revelando pirâmides



Três pirâmides antigas foram descobertas na Antártida por uma equipe de cientistas americanos e europeus. Duas das pirâmides foram descobertas cerca de 25 km para o interior, enquanto a terceira estava perto da costa.

Os primeiros relatórios sobre as pirâmides apareceram na mídia ocidental no ano passado. Poucas fotos foram publicadas em alguns sites com um comentário de que as estruturas estranhas poderiam servir como prova de que o continente coberto de gelo costumava ser quente o suficiente para ter tido uma antiga civilização antiga que ali vivia.

Até agora, pouco se sabe sobre as pirâmides e a equipe tem mantido o silêncio sobre a descoberta. A única informação confiável fornecido pelos cientistas era de que eles estavam planejando uma expedição para as pirâmides para continuar a investigar e determinar com certeza se as estruturas eram algo artificial ou natural.

Nenhum detalhe foi dado sobre o calendário da expedição.



Se os pesquisadores provarem que as pirâmides são estruturas feitas pelo homem, a descoberta poderia levar a uma revisão posterior da história da humanidade.

Enquanto isso, uma série de descobertas estranhas, mas interessantes têm sido feitas recentemente na Antártida. Em 2009, cientistas do clima encontraram partículas de pólen, o que significar que palmeiras teriam crescido na Antártica e com temperaturas de verão chegando a 21 graus.
Três anos depois, em 2012, os cientistas do Instituto de Pesquisas do Deserto, em Nevada, identificou 32 espécies de bactérias em amostras de água do Lago Vida na Antártida Oriental.

É possível que a Antártida já foi quente o suficiente para ser o berço de uma civilização antiga que ali viviam? E teria tido ali alguma cultura avançada para o desenvolvida das estruturas que estão enterrados sob o gelo?

Os estudiosos e egiptólogos já suspeitavam que a Esfinge era muito mais antiga do que o esperado, possivelmente com mais de 10.000 anos de idade. Os cientistas descobriram que a evidência de erosão hídrica na estátua, a maior do mundo, tem uma história de mudanças climáticas a partir de uma floresta tropical ao calor do deserto em alguns milhares de anos.
Se o clima no Egito mudou tão rapidamente, é igualmente possível que o clima da Antártida também poderia ter mudado drasticamente ao mesmo tempo?




De acordo com uma teoria de Robert Bauval e Adrian Gilbert, a construção das pirâmides de Gizé foram realizadas em um período anterior a um 12,500 e 10.500 aC, o que criaria uma correlação entre a localização das três principais pirâmides de Gizé e as três estrelas da constelação de Órion, e que esta correlação foi intencionalmente criada por pessoas que construíram as pirâmides.

A referência à data de 12.500 anos atrás, é significativo uma vez que a posição das pirâmides indicam o momento exato em que uma civilização avançada viu a sua queda devido a um cataclismo global.
Em seu livro As Pegadas dos Deuses, Graham Hancock encontrou todas as pistas levam a um ponto preciso. De acordo com Hancock, as pirâmides foram construídas em todas as culturas ao redor do planeta e os seus monumentos trazem certas configurações astronômicas.

Se olharmos com alarme de relatórios do aquecimento global que alertam que tanto o Ártico e a Antártida estão derretendo. Muitos de nós poderemos viver para ver o dia em que tudo será exposto em todo o continente da Antártida, como todos os artefatos antigos que existiam lá.
Se houver realmente uma pirâmide gigante, isso vai mudar o nosso pensamento sobre o mundo para sempre. Até o momento, ainda não conseguimos recriar as grandes pirâmides. Nós simplesmente não temos a tecnologia.
Portanto, a questão é quem, ou o quê, e como estas pirâmides foram parar na Antártida? O que estas civilizações ou seres deixaram para trás?



Fonte: Arquivo Ufo

6 comentários: