segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Astrônomos mapeiam 1 bilhão de estrelas e pedem ajuda ao público

Com os dados completos, os astrônomos podem dar zooms nesta imagem e ver claramente qualquer uma dentre 1 bilhão de estrelas mapeadas. [Imagem: ESA/Gaia/DPAC]
Ciência cidadã
O telescópio espacial Gaia, lançado em 2013, cumpriu com louvores a primeira de suas grandes promessas científicas.
A ESA divulgou um novo mapa do céu com nada menos do que 1 bilhão de estrelas - é o mais detalhado mapa já feito da nossa galáxia, a Via Láctea.

Desse total, 2 milhões de estrelas foram estudadas em mais detalhes e tiveram sua distância e seus movimentos laterais nos céus traçados com precisão.
A equipe de astrônomos responsáveis pelo Gaia afirmam, contudo, ser impossível analisar a quantidade de informação que recebem e fizeram um apelo ao público para ajudar a fazer novas descobertas.
Uma das medidas para incentivar esse esforço de ciência cidadã será o lançamento de um site no qual os usuários poderão pegar porções dos dados do telescópio e tentar identificar fenômenos singulares.

Exímia precisão
A missão Gaia usa dois telescópios, que examinam a Via Láctea a uma distância de 1,5 milhão de quilômetros da Terra.
Os espelhos dos telescópios refletem a luz que capturam em um imensa câmera com um sensor com 1 bilhão de píxeis. É um equipamento óptico ultra estável e supersensível usado para coletar a luz das estrelas com exímia precisão.
Isto permite identificar as coordenadas dos objetos mais brilhantes com uma margem de erro de sete microarcossegundos - algo equivalente ao tamanho de uma moeda de R$ 1 na superfície da Lua vista da Terra.
Além da posição e dos movimentos, as propriedades físicas das estrelas também são analisadas, como temperatura e composição. Isso permite determinar a idade desses astros.

O telescópio espacial Gaia foi lançado em 2013. [Imagem: ESA]


História da Via Láctea
Uma medição aguardada com grande expectativa é a velocidade radial das estrelas. Trata-se do movimento que esses astros fazem para perto ou longe do telescópio na medida em que percorrem a galáxia.
Se essa medição for combinada com o movimento próprio das estrelas, pode-se determinar a dinâmica da Via Láctea .
Será possível, assim, fazer uma espécie de vídeo temporizado, de forma a avançá-lo para ver como a galáxia vai evoluir no futuro, ou rebobiná-lo para observar como a vizinhança cósmica ganhou a forma atual.

Dificuldades inesperadas
No início da missão, os cientistas esperavam obter dados de velocidade radial de cerca de 150 milhões de estrelas.
Mas esse objetivo foi posto em dúvida quando se percebeu, logo após o lançamento de Gaia, que uma luz difusa inesperada estava entrando no telescópio. Isso fez com que a observação das estrelas mais fracas - bem como de suas cores - se tornasse muito mais desafiadora.
Os cientistas da missão acreditam ter encontrado a origem do problema: em parte, ele é causado pela forma como a luz do Sol se curva nos 10 m de sombra que os telescópios usam para manter seus telescópios na escuridão.
A boa notícia é que o problema poderá ser sanado se houver uma quantidade suficiente de dados. O objetivo final - a medição da velocidade radial - dependerá, assim, segundo os técnicos, da duração da missão. Quanto mais tempo ela durar, maior a chance de o objetivo ser alcançado.


Fonte: Inovação Tecnológica

0 comentários:

Postar um comentário

Custom Search