loading...

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

As mortes misteriosas de cientistas que teriam descoberto Nibiru

Rodney Marks e o Dr. Robert Harrington desapareceram depois de terem descoberto Nibiru.  Foto: dailystar.co.uk / Getty / YouTube / Southpolestation.com
Muitos astrônomos altamente respeitados alegaram que outro planeta maciço está espreitando nos confins do sistema solar.

A NASA já anunciou evidências de sua existência duas vezes – retirando o aviso após.
Mais recentemente, uma equipe  do Instituto de Tecnologia da Califórnia disse que a existência do que eles chamam de Planeta Nove será comprovada até o final deste ano.

Mas uma voz líder em um movimento crescente dentre aqueles que acreditam afirma que pesquisadores que acham evidência do planeta são eliminados.
David Meade acredita que um planeta gigante chamado Nibiru ou o Planeta X está vindo em direção à Terra.

Ele originalmente pensou que o planeta apareceria em 23 de setembro de 2017 – mas agora revisou sua estimativa com base em passagens apocalípticas na Bíblia para dizer que ficará visível antes do Natal.

A NASA nega que Nibiru exista – mas os membros do chamado movimento Nibiru Cataclysm dizem que isso é um acobertamento para evitar o pânico e reservar espaço em abrigos subterrâneos para a elite mundial.

O Sr. Meade diz que os cientistas que quebram o código de silêncio são “desaparecidos”.
Ele sugere que o Dr. Robert Harrington, astrônomo supervisor do Observatório Naval dos EUA – que afirmou ter encontrado a prova do Planeta X – e o astrofísico australiano Rodney Marks – que estava trabalhando em um telescópio do Polo Sul – morreram em circunstâncias misteriosas.

O Dr. Harrington acreditava que o Planeta X era um “planeta intruso” que passava por nosso sistema solar – e disse que era capaz de abrigar a vida alienígena.
O pesquisador cristão e o astrônomo amador disse:
Houve casos estranhos? Sim.
O Dr. Harrington foi eliminado misteriosamente na década de 1990, antes que ele pudesse dizer qualquer coisa e ele era o chefe do observatório naval.
Então você tem a morte misteriosa em 2000 de um indivíduo no telescópio do Polo do Sul, que supostamente morreu de intoxicação por álcool.
Como chefe do Observatório Naval dos EUA, o Dr. Harrington foi um dos principais astrônomos dos EUA. Junto com James Christy, ele descobriu a lua Charon de Plutão.
O Dr. Harrington tornou-se um famoso crente do Planeta X e começou a explorar os céus para obter provas. Ele disse que o movimento dos planetas Urano e Netuno e suas luas apontou para outro grande planeta além de Plutão.

Dr. Robert Harrington, chefe do Observatório Naval dos EUA, acredita no Planeta X

O Dr. Harrington foi entrevistado por Zecharia Sitchin, a primeira pessoa a sugerir a existência de Nibiru, em 1990.

Sitchin tinha traduzido placas de cerâmica escritas por uma antiga cultura do Oriente Médio, os sumérios.

Ele disse que lá estava relatado sobre um planeta gigante chamado Nibiru que orbitava o Sol a cada 3.600 anos.

O planeta – que foi povoado por uma raça alienígena chamada Anunnaki – passou pelo Sistema Solar causando estragos.

O escritor foi descartado como sendo louco pela maioria dos cientistas – mas o Dr. Harrington obviamente o levou a sério.

O Dr. Harrington disse que Plutão já havia sido uma lua de Netuno, que havia sido deslocada pelo planeta X – que ele chamou de “planeta intruso” – quando passou pelo sistema solar em uma órbita elíptica ao redor do Sol.
Falando para Sitchin, ele disse:
Se for no tipo de órbita que descrevemos aqui, teria que ser um planeta que tivesse uma massa igual de três a cinco vezes a massa da Terra.
Isso o colocaria num tamanho entre planetas gasosos como Urano e Netuno e os planetas terrestres que temos na parte interna do sistema solar.
Então, se este planeta se revelar numa órbita de 3.600 anos, sua massa seria correspondentemente maior.
Mas estamos falando de algo que é um planeta perfeitamente razoável que se parece com um bom planeta. Pequeno o suficiente para que não esteja completamente envolvido em gás.
Ele é perfeitamente capaz de suportar formas de vida de um tipo ou de outro.
O Satélite Astronômico Infravermelho da NASA encontrou sinais de um “objeto desconhecido … possivelmente tão grande quanto o planeta gigante Júpiter e possivelmente tão próximo da Terra que seria parte deste Sistema Solar” em 1983.

Mais tarde retirou o anúncio, dizendo que estava errado.
Os dados do voo da sonda espacial Voyager 2 de Netuno supostamente refutaram os cálculos do Dr. Harrington em 1992.

Seis meses depois, em janeiro de 1993, ele morreu. A causa oficial da morte foi câncer – mas os teóricos da conspiração têm suas dúvidas.
Alguns afirmam que ele estava prestes a publicar novas observações que havia feito na Nova Zelândia quando morreu.

O blogueiro Marshall Masters escreve:
Harrington enviou relatos sobre esta descoberta ameaçadora, mas morreu do que foi relatado como sendo câncer esofágico, antes que ele pudesse empacotar seu telescópio e chegar em casa para fazer o que teria sido uma conferência de imprensa altamente divulgada.
Aqueles que acreditam na existência de Nibiru afirmam que o hemisfério sul, em particular ao redor do Polo Sul, é o melhor lugar para ver Nibiru, cuja órbita ao redor do Sol é dita estar em uma inclinação quando comparada com a Terra.
Rodney Marks morreu no Polo Sul enquanto trabalhava no Telescópio Submilimétrico Antártico e no Observatório Remoto na Estação Amundsen-Scott, no Polo Sul.
A morte do astrónomo Rodney Marks no Pólo Sul nunca foi explicada.
O homem de 32 anos de idade, saudável, entrou em colapso enquanto caminhava entre o observatório e a base, ficou indisposto nas próximas 36 horas e morreu.

A Fundação Nacional da Ciência (NSF) – que administra a estação – anunciou que ele “morreu por causas naturais”, mas seu corpo não foi liberado para uma autópsia na Nova Zelândia por seis meses.
A autópsia descobriu que ele morreu de intoxicação por etanol, mas não ficou claro como ele tomou.
O suicídio foi descartado, pois ele visitou o médico da estação várias vezes depois de se sentir mal e ficou confuso com sua condição.

Ele tinha um acesso ao álcool normal e não tinha problemas pessoais, e o médico legista disse que não poderia ter bebido acidentalmente.
A polícia da Nova Zelândia disse que a NSF não estava cooperando e se recusou a dar detalhes de um relatório interno ou a dizer quem estava na estação na época.
O médico da estação, Robert Thompson, também desapareceu em 2006.

O investigador forense nunca chegou a um veredito final sobre a morte de Marks.
David Meade disse:
Ele passou a maior parte do tempo recolhendo dados sobre as condições de visualização e as operações do enorme telescópio infravermelho.
Ele sabia demais?

Fonte: OVNIHoje

0 comentários:

Postar um comentário

Custom Search