NerdTecnoGeek

Ciência, Tecnologia e Mistérios.

Física

A mais bela das Ciências.

Mistérios

Os Mistérios do mundo e do Universo apresentados aqui.

Eletrônica

Kits de projetos eletrônicos para todas as finalidades.

loading...

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Sensacional, Microsoft anuncia data de lançamento do Xbox Game Pass


A Microsoft acaba de revelar na página do Xbox no Facebook a data de lançamento do Xbox Game Pass: 1 de junho de 2017. O anúncio foi realizado através de  um pequeno vídeo publicado na rede social. Vale lembrar, tal serviço passou por uma fase de testes nos Estados Unidos, Brasil e outras países.
O Xbox Game Pass oferece acesso ilimitado a um catálogo com mais de 100 jogos. A Sony já oferece um serviço parecido com o PlayStation Now, mas no caso da empresa japonesa os jogos são disponibilizados via streaming. O serviço da Microsoft conta com games do Xbox One e retrocompatíveis do Xbox 360.
Todos os jogos oferecidos pelo serviço serão baixados diretamente para o Xbox One e não oferecidos via streaming. Algo muito similar ao EA Access.
Outro ponto importante é que todos os jogos no catálogo do serviço, e complementos relacionados, estarão disponíveis para compra com descontos para os assinantes. Entre os jogos oferecidos na versão brasileira estão o Halo 5: Guardians, Payday 2, Mad Max e Tekken Tag Tournament 2.

O serviço custará US$ 9,99 por mês nos Estados Unidos, CA$11,99 por mês no Canadá, €9,99 por mês na Europa e £7,99 no Reino Unido. No Brasil, está especulado que o preço será R$ 39 por mês.
Já foi confirmado também que o Xbox Game Pass poderá ser testado gratuitamente por 14 dias.
Você pretende assinar?

Fonte: windowsclub

UVB 76: A misteriosa rádio russa fantasma


O volume foi aumentado, os computadores começaram a gravar, posts em fóruns foram apressadamente digitados. Algo grande estava acontecendo.

“OBYaVLENIYA komanda 135”
Pela primeira vez em uma história que remonta há quase quarenta anos, um sinal de rádio russo misterioso conhecido popularmente como UVB-76 havia emitido uma ordem. No dia 24 de janeiro de 2013, ele foi ouvido claramente por sua legião de fãs:

“Comando 135 iniciado”
O sinal de rádio que ocupa a frequência 4625 kHz tem sido transmitido pela misteriosa rádio russa fantasma desde o final da década de 1970. A mais antiga gravação conhecida é datada de 1982. Desde então, a rádio de ondas curtas passou a emitir um zumbido repetitivo. Raramente (uma vez a algumas semanas), o zumbido para, e uma voz russa lê uma mistura de números e nomes russos.
Uma mensagem famosa foi transmitida horas antes do Natal de 1997:
“Ya UVB-76, Ya UVB-76. 180 08 BROMAL 74 27 99 14. Boris, Roman, Olga, Mikhail, Anna, Larisa. 7 4 2 7 9 9 1 4”
Em vez de encerrar com a queda da URSS, a UVB-76 tornou-se ainda mais ativa. Desde o novo milênio, mensagens de voz se tornaram cada vez mais frequentes. É fácil descartar o sinal como pré-gravado, ou um looping. O zumbido parece ser gerado manualmente. A razão provável para as conversas ao acaso é que o alto-falante que cria o ruído é constantemente colocado ao lado de um microfone, dando ao mundo uma visão estranha da misteriosa origem do sinal.

O empresário estoniano Andrus Aaslaid capta diariamente os sinais da UVB-76 em seu sótão.
A popularidade moderna da UVB-76 pode ser atribuída à Internet, com diversos fóruns e blogs espalhando teorias infundadas sobre atividade paranormal ou alienígena no local. O interesse na UVB-76 também aumentou em meados de 2010, quando conversas eram transmitidas com cada vez mais frequência, e trechos de filmes como o “Lago dos Cisnes” eram tocados, além de um ponto de interrogação transmitido em código Morse.
Desde outubro de 2010, a estação mudou de localização. Parece provável que o aumento de atividade naquele ano estava relacionado com o estabelecimento do sinal em um novo local. O novo sinal foi chamado: “MDZhB”.
Esforços de triangulação anteriores haviam levado à descoberta do transmissor da UVB-76: uma base militar russa nos arredores de Povarovo (imagem em destaque no topo), uma pequena cidade a 30 km de Moscou. Após a estação mudar de localização, dois grupos de exploradores urbanos viajaram para a cidade russa remota em uma tentativa de visitar o bunker militar onde o sinal tinha se originado há mais de trinta anos. Quando chegaram à cidade, um homem local disse a eles sobre uma  tempestade em 2010. Uma noite, um denso nevoeiro tomou conta do local, e o posto militar foi evacuado em 90 minutos.




Os grupos grupos encontraram o bunker e edifícios militares completamente abandonados. Posses e equipamentos estavam espalhados em toda a base. Água gelada tinha enchido o bunker, mas pistas ainda ainda podiam ser encontradas no interior. Um grupo descreveu o bunker militar de Povarov como “um lugar escuro tranquilo e solitário, algo como um labirinto com muitos corredores e quartos”. Um livro foi achado no local e continha um arquivo de mensagens enviadas pela UVB-76. O sinal etéreo que tinha fascinado o mundo há anos tinha uma presença física, junto com a confirmação de que ele tinha sido executado pelos militares russos.
O mistério continua até hoje. Mensagens de voz esporádicas ainda são emitidas. Legiões de ouvintes sintonizam rádios e transmitem on-line todos os dias. Junto com um renovado interesse em estudar e arquivar as transmissões da UVB-76, várias tentativas de triangulação foram feitas para tentar determinar a nova localização do sinal. Ao contrário de antes, parece que a UVB-76 está emanando de múltiplos transmissores em toda a Rússia. Uma triangulação deu origem a 2 localizações possíveis. Uma pequena aldeia russa chaada Kirsino, que tem uma população registrada de apenas 39 pessoas; Perto da fronteira com a Estônia está Pskov Oblast. Esta é atualmente a fonte mais provável da UVB-76 devido às múltiplas tentativas de triangulação que levam até aqui.


Enquanto pessoas tentam descobrir a localização do sinal, o objetivo da UVB-76 permanece um mistério. Como acontece com qualquer mistério inexplicável, teorias de conspiração surgem aos montes. Entre uma das hipóteses está a medição de mudanças na ionosfera. Os sons seriam emitidos por um observatório utilizando a frequência 4625 kHz.
Isso, no entanto, não explica o bunker militar, ou as mensagens de voz. E nem há detalhes de tais pesquisas. Um sinal na frequência 4625 kHz teria sofrido interferência extrema, tornando-o quase inutilizável para investigar a ionosfera. A conspiração favorita dos fãs da UVB-76 é a versão audível do sistema “Dead Man Switch” da Rússia. No caso de um ataque nuclear que aleija o comando militar russo, o sistema automatizado iria lançar um contra-ataque. Outras teorias malucas sugerem que os ruídos sejam um sinal do apocalipse, uma rede de espionagem internacional, ou ainda uma experiência secreta. Ou será simplesmente uma rede de comunicações? O que você acha? [WiredSlavorum]

Fonte: misteriosdomundo

Os monólitos de Marte e de Fobos ainda não foram completamente explicados pela ciência


Enormes monólitos foram descobertos em corpos celestes dentro do nosso sistema solar, e os cientistas não são capazes de interpretar seus significados e origens. Poderiam estes monólitos serem artefatos que sobreviveram de uma civilização marciana da antiguidade?

Mais e mais características anormais no sistema solar estão sendo trazidas à luz pelos entusiastas e caçadores de anomalias, alimentando a ideia de que antigas civilizações que costumavam habitar a Terra e outros corpos celestes em sua vizinhança muito antes dos humanos aparecerem, ou antes da nossa memória universal ter sido apagada.

Porém, há muita evidência para apoiar as alegações citadas acima, embora a ciência de tendência predominante não esteja inclinada a considerar isto como prova. Pelo menos não ainda.

Entre as peças mais peculiares está o monólito da superfície marciana fotografado pela câmera HiRISE a bordo da sonda Mars Reconnaissance Orbiter, de 300 km de altitude.
O monólito de Marte (Credito: Mars Global Surveyor/NASA)

O objeto intrigante é projetado para fora da superfície do Planeta Vermelho, e parece ser perfeitamente retangular, em posição ereta e medindo aproximadamente 5 metros de largura.

O bloco de pedra possui uma semelhança marcante aos monólitos plantados na Terra e na lua por alienígenas no filme de ficção científica “2001: Uma Odisseia no Espaço”.  Ele é sem dúvida uma peça intrigante que lembra uma civilização marciana antiga evoluída o suficiente para transformar a superfície de seu planeta. Mas por que os cientistas não concordam com esta hipótese, e por que o baixo interesse quanto a isto?

Sua explicação mais convincente foi a de que o suposto monólito havia se quebrado do leito da rocha e tombou numa rachadura, até adquirir seu formato retangular. É verdade que o monólito em Marte está localizado no fundo de um abismo, mas seria esta teoria suficiente para provar seu formato perfeito?


Yisrael Spinoza, um porta-voz para o departamento HiRISE, disse:
Seria insensato se referir a ele como um ‘monólito’ ou ‘estrutura’ porque isso implicaria em algo artificial, como se tivesse sido colocado lá por alguém, por exemplo. Na realidade é mais provável que esta rocha tenha sido criada ao se quebrar do leito de rocha, para criar uma característica de formato retangular.
A localização do monólito, no fundo de um penhasco é o álibi perfeito para os cientistas defenderem seus pontos de vistas. Eles dizem que se a teoria alienígena fosse correta, eles [os ETs] teriam colocado o suposto monólito numa área completamente diferente, com menos obstáculos.

Porém, já que nenhum terráqueo colocou seus pés em Marte ainda, e já que todas as informações que recebemos vem de fontes altamente autoritárias, renomadas por revelarem somente o lado conveniente da moeda, se torna difícil obter uma compreensão precisa das coisas.

Por sorte, um pequeno corpo celeste, com o raio de aproximadamente 11 quilômetros, contém um outro monólito intrigante, desta vez numa área sem nenhum impedimento ao redor.

Fobos é uma das duas luas que orbitam Marte, a outra sendo Demos, sua irmã menor. Fobos tem um formato irregular, fazendo-a parecer como um asteroide que caiu nas garras gravitacionais de Marte há muito tempo; mas devido às suas características anormais, os entusiastas tem apresentado a ideia de que Fobos seja uma estrutura artificial, provavelmente usada por uma antiga civilização marciana como sua nave espacial.

Os cientista não foram capazes de determinar como as duas luas de Marte chegaram lá, e não têm a mínima ideia sobre o intrigante monólito em Fobos. Porém, o que é certo é o interesse expressado pela NASA para enviar uma sonda não tripulada até este pequena lua, próxima do monólito.  Eles não falam das possíveis implicações alienígenas, mas sim do benefício científico que isto possa trazer para uma missão tripulada futura até Marte.
O monólito de Fobos (Credito: Mars Global Surveyor/NASA)

Entre aqueles tentando aumentar a consciência da humanidade sobre estes artefatos espaciais está Buzz Aldrin, o segundo homem a pisar na Lua. Ele é um defensor da exploração espacial e parece ter noções definidas do que foi encontrado tanto em Marte quanto em Fobos.
Deveríamos ir audaciosamente aonde nenhum homem foi antes. Voar pelos cometas, visitar asteroides, visitar a lua de Marte. Há um monólito lá, uma estrutura muito anômala neste pequeno objeto com o formato de batata, que gira em torno de Marte uma vez em cada 7 horas. – Buzz Aldrin
Quando as pessoas descobrirem sobre isto, elas irão dizer, ‘Quem colocou aquilo lá? Quem colocou aquilo lá?’
O monólito em Fobos é verdadeiramente uma anomalia que não pode ser desbancada com facilidade. Ele se estende por aproximadamente 90 metros do nível do solo, e está localizado numa região desolada de Fobos, tornando sua origem ainda mais questionável.

O objeto poderia estar relacionado ao outro objeto encontrado em Marte. Ambos insinuam uma possível civilização marciana avançada que, num passado distante, conseguiu incorporar sua lua em sua expansão planetária.


A suposição mais provável é que os monólitos foram usados para enviar informações, mas outra hipótese mais ousada fala a respeito de seus papéis em abrir fendas temporárias no espaço e tempo.

Ninguém pode provar ou refutar as alegações acima, porque não estivemos lá para analisar completamente os artefatos. Todas as hipóteses permanecem viáveis por agora. Mas, o futuro está lentamente transformando nossa realidade de maneira que nunca ousamos imaginar antes…

Já que cenários de ficção científica estão ganhando terreno, é possível que os monólitos de Marte e Fotos sejam o exercício imaginativo perfeito para que um dia possam ser considerados como realidade. Afinal, não há ciência sem a ficção.

Fonte: OVNIHoje

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Atividade paranormal registrada por câmera de segurança


Um vídeo surgiu na internet e parece mostrar os itens em uma loja movendo por si mesmos.
Acredita-se que o mesmo foi filmado em um Centro de Nutrição de Whitstable, em Kent (EUA), e mostra imagens do circuito interno enquanto um homem percorre os corredores.

De repente, uma caixa de saquinhos de chá na prateleira, atrás dele, começa a se mover por conta própria antes de pairar no ar por alguns segundos. As vozes por trás das câmeras sugerem que um membro da equipe estava mostrando o vídeo para uma amiga que parecem, genuinamente, impressionados com o que ela está vendo.

Desde que apareceu no YouTube o vídeo recebeu cerca de 10.000 visualizações e está começando a circular em sites de mídias sociais. Será que as imagens representam evidência de atividade paranormal ou poderia haver uma explicação mais convencional?

Fonte: arquivoufo

Teoria das “bolhas” do Triângulo das Bermudas foi contestada

 
A física Helen Czerski lançou dúvidas sobre uma das teorias mais populares sobre o Triângulo das Bermudas.
Existem poucos mistérios tão duradouros e tão conhecidos como o Triângulo das Bermudas – uma extensão de oceano no Atlântico Norte que abrange a área entre a Flórida, Bermudas e Porto Rico.

Ao longo dos anos, a região tornou-se sinônimo de desaparecimentos inexplicáveis ??de navios e aviões – muitas vezes sem nenhum vestígio deles ou de suas tripulações que jamais foram encontradas. No ano passado, cientistas da Universidade Arctic da Noruega descobriram crateras no fundo do mar, que uma vez continha grandes acumulações de gás metano.

A liberação de tais acúmulos, argumentaram, poderia potencialmente explicar como um navio poderia desaparecer sob as ondas sem aviso prévio. Agora, porém, a física e oceanógrafa Helen Czerski da University College de Londres jogou um banho de água fria nos trabalhos ao afirmar que isso nunca poderia realmente acontecer. “A primeira coisa é que este gás vai quebrar em pequenas bolhas muito rapidamente”, disse ela. “Não se levanta como uma bolha maciça, grande.” “As bolhas vão fazer o navio subir, muito mais do que ser puxado para baixo.”

Fonte: Arquivoufo

Patente de nave antigravitacional agora está em domínio público

Espaçonave triangular – US 20060145019 A1


Uma patente de nave antigravitacional foi recém descoberta, a qual mostra uma espaçonave triangular conhecida nos meios que estudam os OVNIs como sendo o TR-3B.  Pesquisa confirma que o inventor, John St. Clair, também desenvolveu e patenteou um novo tipo de sistema de propulsão.  Este novo sistema é chamado “sistema de propulsão giratória eletrostática”.  Abaixo estão trechos dos links para as patentes do TR-3B e do sistema de propulsão eletrostática.


Uma espaçonave que tem a fuselagem triangular, com cargas verticais de linhas eletrostáticas em cada canto, as quais produzem um campo eletrostático horizontal paralelo nos lados da fuselagem. Este campo, interagindo com uma onda plana emitida pelas antenas no lado da fuselagem, gera uma força por volume, combinando tanto a elevação quanto a propulsão.https://www.google.com/patents/US20060145019?pageId=111028569981762970673

Sistema de propulsão giratória eletrostática – US 20030209637 A1


Esta invenção está relacionada à um sistema de propulsão de espaçonaves, utilizando motores de empuxo compostos de um cilindro conduzido por motor carregado eletrostaticamente, girando dentro de um anel, com o propósito de criar uma tensão de curvatura espaço-tempo na direção horizontal. Os impulsores são aumentados por geradores de vórtice magnético, incrustados nos cilindros, ou localizados acima de cada impulsor, com o propósito de aumentar a permissividade do espaço, penetrando cada impulsor com energia de hiperespaço de baixa densidade, gerada por um buraco de minhoca criado entre o nosso espaço e o hiperespaço. Uma combinação de três impulsores montados na parte inferior da fuselagem da espaçonave fornecem o controle de movimento do empuxo e do ângulo de guinada.

https://www.google.com/patents/US20030209637?dq=ininventor:%22John+St.+Clair%22&hl=en&sa=X&ved=0ahUKEwig04SQ3fLTAhWEwlQKHTwcAKQQ6AEIWDAH

O que é o TR-3B ?

O codinome do TR-3B é ‘Astra’. O primeiro voo operacional de reconhecimento tático do TR-3B foi no início da década de 1990.   A plataforma aeroespacial de formato triangular que utiliza energia nuclear foi desenvolvia sob o Programa Aurora de Máximo Segredo, com financiamento vindo dos orçamentos negros. Pelo menos 3 dessas naves que custaram  bilhões de dólares estavam voando até 1994. O Aurora é o programa de desenvolvimento aeroespacial mais secreto em existência.  O TR-3B é o veículo mais exótico criado pelo Programa Aurora.  Ele é financiado e operado pelo Gabinete Nacional de Reconhecimento (EUA), a NSA e a CIA.

O triângulo voador não é ficção e foi construído com tecnologia disponível em meados da década de 1980. Nem todos os OVNIs avistados é um dos ‘deles’.  O revestimento externo dos veículos TR-3B é reativo à estimulação elétrica por radar e pode mudar a absorção e reflexão dos radares, e sua cor. Esta camada de polímero, quando usada em conjunto com os dispositivos eletrônicos de medidas de segurança, podem fazer com que o veiculo se pareça com uma pequena aeronave, ou um cilindro voador – ou até mesmo enganar os receptores dos radares para detectarem uma variedade de aeronaves, nenhuma aeronave, ou várias aeronaves em várias localizações. Um anel preenchido de plasma, chamado de Interruptor de Campo Magnético, cerca o compartimento giratório da tripulação, e está bem à frente de qualquer tecnologia imaginável.

Fonte: OVNIHoje

Viagem no tempo é possível com TARDIS do espaço-tempo

Além de permitir a viagem no tempo, a matéria exótica pode possibilitar a velocidade de dobra - alguns astrofísicos acreditam que haja matéria exótica em estrelas de nêutrons.[Imagem: NASA]
TARDIS matematicamente possível
Um matemático e um físico canadenses criaram um modelo matemático para uma máquina do tempo que, ainda que não seja viável no presente, também não se pode dizer que seja impossível de ser construída.


David Tsang e Ben Tippett, da Universidade da Colúmbia Britânica, são especialistas na teoria de Einstein e em buracos negros - mas confessam que também gostam de ficção científica nas horas vagas.


"As pessoas pensam que viagens no tempo sejam algo ficcional. E nós tendemos a pensar que não é possível porque não o fazemos de fato. Mas, matematicamente, é possível," garante Tippett.
E, usando matemática e física, eles provaram.


Deduzindo fórmulas e triturando um bocado de números, Tsang e Tippett criaram um modelo matemático de uma TARDIS - o nome foi obviamente dado em homenagem à máquina do tempo do Dr. Who, mas eles conseguiram forjar uma sigla que fizesse sentido em seu trabalho: Traversable Acausal Retrograde Domain in Space-time, algo como domínio retrógrado não-causal no espaço-tempo.
 




Outros cientistas acreditam que o futuro pode afetar o passado. [Imagem: Cortesia Shutterstock/Sam72]





Máquina do espaço-tempo
Os dois pesquisadores descrevem sua máquina do tempo como uma bolha na geometria espaço-tempo que transporta seu conteúdo para trás e para a frente através do espaço e do tempo enquanto percorre um grande caminho circular. Os cálculos indicam que a bolha, em determinadas condições, se move através do espaço-tempo a velocidades maiores do que a velocidade da luz, permitindo que ela se mova para trás no tempo.

Para explicar isso, a dupla defende que a divisão do espaço em três dimensões, com o tempo em uma dimensão separada, é incorreta. As quatro dimensões devem ser imaginadas simultaneamente, afirmam, onde diferentes direções estão conectadas, como um contínuo espaço-tempo.


Usando a teoria de Einstein, eles explicam que é a curvatura do espaço-tempo a responsável pelas órbitas curvas dos planetas. Em um espaço-tempo "plano", ou não-curvado, os planetas e estrelas iriam se mover em linhas retas. Contudo, na vizinhança de uma estrela, que tem massa enorme, a geometria do espaço-tempo torna-se curva e as trajetórias retas dos planetas próximos seguirão a curvatura e circularão ao redor da estrela.


"A direção temporal da superfície do espaço-tempo também apresenta uma curvatura. Existem evidências mostrando que, quanto mais perto de um buraco negro estivermos, mais lentamente o tempo se move. [Nosso] modelo de uma máquina do tempo usa o espaço-tempo curvo para dobrar o tempo em um círculo para os passageiros, e não colocá-lo em uma linha reta. Esse círculo nos leva de volta no tempo," explica Tippett.
 
 




Ainda que não permita ir de fato ao passado ou ao futuro, as pesquisas sobre viagem no tempo podem ser usadas de forma prática na segurança da informação. [Imagem: mptvimages.com]






Matéria exótica
Embora seja possível descrever esse tipo de viagem no tempo usando equações matemáticas, os pesquisadores duvidam que alguém chegue a construir uma máquina para demonstrar esse princípio porque o material para isso não existe - ainda.

"H.G. Wells popularizou o termo 'máquina do tempo' e deixou as pessoas com a ideia de que um explorador precisaria de uma 'máquina ou caixa especial' para realmente realizar viagens no tempo. Embora seja matematicamente viável, ainda não é possível construir uma máquina do espaço-tempo porque precisaríamos de materiais - que chamamos de matéria exótica - para dobrar o espaço-tempo nesses modos impossíveis, mas eles ainda não foram descobertos.


"Estudar o espaço-tempo é tanto fascinante quanto problemático. E também é uma maneira divertida de usar a matemática e a física. Especialistas em meu campo têm explorado a possibilidade de máquinas matemáticas do tempo desde 1949. E [nossa pesquisa] apresenta um novo método para fazer essas viagens," concluiu Tippett.


Fonte: Inovação Tecnológica


Custom Search