loading...

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Evidência de viagem no tempo? Nativo americano segura ‘smartphone’ em pintura retratando o Século XVII

217
Poderia esta cena ser uma prova de uma viagem no tempo? De acordo com uma cena retratada em uma pintura, um homem nativo americano parece estar olhando um artefato que, de acordo com alguns, é estranhamente semelhante a um smartphone moderno.

De fato, na pintura criada em 1937, o homem nativo americano detém o “dispositivo” enquanto olha para ele e, de acordo com muitos, é como se ele realmente estivesse segurando um smartphone. A pintura – chamada Mr. Pynchon and the Settling of Springfield – mostra uma cena do Século XVII .
O homem em primeiro plano é retratado com penas em sua cabeça, vestindo uma tanga branca, mas na sua mão direita ele segura um objeto misterioso.

Então, que objeto é esse que está sendo segurado pelo nativo americano?

Segundo os historiadores, é ridículo – e até mesmo além disso – pensar em viagem no tempo ou evidência de smartphones utilizados no Século XVII.
Em uma entrevista com o site motherboard, a Dra. Margaret Bruchac, da Universidade da Pensilvânia, disse:
Ele tem uma semelhança bastante estranha, tanto na forma como está sendo segurado, como na maneira como ele concentra sua atenção, para um smartphone.
No entanto, o Dr. Bruchac acrescentou que em vez de ser um smartphone real, o objeto é mais provável que tenha sido uma lâmina de ferro, dizendo que a pintura era um “gênero artístico romantizado”, o que dificultava dizer.

A pintura diz muito sobre as fantasias e ficções americanas modernas do domínio colonial branco em relação aos índios, acrescentou.

E, embora há aqueles que presumem que o dispositivo seja de fato um smartphone, e apontam para o fato de que algumas pessoas tiveram a capacidade de viajar de um período para o outro no tempo, o historiador Daniel Crown argumenta que o objeto em questão – que se assemelha a um smartphone – é de fato um espelho, amplamente utilizado após a sua introdução no Século XVII .
Lâmina de ferro, espelho, texto religioso ou smartphone?
Crown escreveu em um e-mail para o site motherboard:
Para colocá-lo nos termos mais bondosos possíveis, a estética chamada “abstrata” de Romano foi intencionalmente ambígua.
Quando Umberto Romano pintou o mural, os americanos ficaram obcecados com a alegoria do  “nobre selvagem”. Dado o foco da cena na fundação de Springfield, Romano, de forma redutiva, provavelmente tentou capturar a introdução da modernidade em uma comunidade curiosa, mas tecnicamente atrofiada, que foi instantaneamente enfeitiçada pelo tesouro de Pynchon de objetos brilhantes.
No entanto, além da possibilidade de que seja um espelho ou uma lâmina de ferro, o objeto também pode ter sido um texto religioso. Segundo o Dr. Crown, o item que está sendo segurado pelo nativo americano pode ter sido um dos evangelhos.
Ele disse:
Estes existiram na época e tinham aproximadamente a mesma forma retangular.
Então, você tem, uma pintura controversa que, segundo alguns, é evidência de iPhone e dispositivos Android que são mantidos por nativos americanos no Século XVII e , de acordo com especialistas, é apenas mais uma pintura comum que atiçou a imaginação de alguns, e que o objeto em questão é apenas uma lâmina de ferro, um espelho ou um antigo texto religioso.

Fonte: OVNIHoje

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É um espelho! Os índios não conheciam os espelhos e os portugueses usavam como moeda de troca.

    ResponderExcluir

Custom Search