loading...

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Os nazistas, a Antártica e os abomináveis homens polares

Alguns dos membros da expedição nazista original à Antártica.
Nazistas. Houve alguma vez um vilão ou uma força do mal maior lá fora? Ao longo da história, eles não só serviram para ser autores de atos horríveis, mas também alvos de inúmeras teorias de conspiração e contos estranhos. Eles realmente conseguem se encaixar ao que a história assustadora exige, e há muitas dessas histórias. Entre os muitos rumores estão os de que os nazistas tinham uma base secreta nas profundezas do continente da Antártica. No entanto, há um relato em particular que sinto ser particularmente surreal e estranho. É uma história assustadora e horrível de soldados nos elementos frígidos, lutando não só contra o próprio ambiente, mas também contra entidades desconhecidas que o habitam. Em suma, é a história perfeita da bizarrice nazista.

Antes de começar, talvez seja melhor compreender primeiro um pouco da história que envolve as lendas das bases nazistas secretas enterradas na Antártida. Os nazistas realmente vieram a este deserto sombrio e remoto de um continente, mas oficialmente apenas uma vez. A expedição em questão foi realizada de dezembro de 1938 a abril de 1939, e envolveu um pequeno contingente enviado à Antártica a bordo do navio Schwabenland .

Embora tudo pareça bastante sinistro, a expedição foi principalmente de natureza exploratória, envolvendo ciência marítima, coleta de espécimes, topografia, mapeamento na região, em particular a parte ocidental de Queen Maud Land, e também teve a intenção de fazer uma reivindicação aos direitos da caça às baleias na região, que estavam sendo monopolizados pela Grã-Bretanha e a Noruega na época.

A expedição executou seu trabalho e partiu, sem evidências reais de que eles já haviam começado a construir qualquer tipo de base permanente lá, e essa foi a única vez que eles foram para a Antártica na época, com as expedições planejadas aparentemente desfeitas com a chegada da Segunda Guerra Mundial. A próxima vez que os alemães chegaram na Antártida foi com uma expedição russa em 1959. Oficialmente, de qualquer forma.

É claro que, já que estamos falando a respeito de nazistas aqui, as conspirações de uma base antártica alemã foram cogitadas imediatamente mesmo na época, alegando-se que as instalações seriam um lugar de encontro para ocultistas alemães, cientistas loucos e vários membros de grupos sombrios como os Illuminatis. Essas histórias foram alimentadas apenas por afirmações enigmáticas feitas pelo almirante naval alemão Karl Dönitz, que passaria a ser presidente da Alemanha após a morte de Hitler, dizendo que eles realmente tinham uma base, alegando que era uma “fortaleza invulnerável” , um oásis parecido com o paraíso no meio do gelo eterno”, bem como supostos relatórios da Argentina em 1945, de que um submarino alemão teria sido capturado ali, o qual foi considerado responsável por transportar Hitler e outras oficiais de alto escalão da Alemanha para Antártica.

A partir daí, as lendas e os mitos de uma base nazista na Antártica realmente decolaram e cobriram todo o espectro de teorias insanas da conspiração, com reivindicações que vão desde os nazistas testando tecnologia OVNI em cavernas subterrâneas, descobertas de civilizações antigas, alienígenas reptilianos sob o gelo, até sendo lá o esconderijo obras de arte roubadas, alegando que Hitler tinha sido levado para aquela base para sua própria proteção ao invés de morrer, e ainda também de que era o ponto de partida para uma nova, sombria e sinistra nova ordem mundial.

Um dos eventos que realmente cimentou a ideia de uma base nazista na Antártida em uma lenda persistente foi uma operação muito real chamada Operação Highjump, uma missão militar norte-americana de 1947 que seria a maior expedição de escala já montada para o continente, envolvendo 4700 homens , 33 aeronaves e 13 navios. O motivo oficial dessa operação maciça foi treinar tropas para lutar e testar veículos e equipamentos em condições extremas de frio e gelo, caso uma guerra ocorresse com a Rússia no Ártico, bem como estabelecer uma presença dos EUA na Antártica para combater qualquer atividade russa por lá. Claro, com uma expedição militar tão grande para o continente e rumores já rodando de uma base nazista por lá, não demorou até que as conspirações fossem atraídas para ela como mariposas para uma chama.

A principal ideia por detrás dessas teorias era que os EUA realmente foram lá para caçar e destruir as tropas alemãs restantes estacionadas em sua base na Antártida. Apesar do fato de que os alemães já haviam se rendido e a guerra acabado, houve alegações de que os nazistas continuavam operando em segredo na Antártica, e pensou-se que a Operação Highjump foi enviada para eliminá-los de uma vez por todas.

A teoria realmente leva uma brusca mudança para a estranheza, com afirmações de que a força dos EUA encontrou resistência dos alemães utilizando “discos voadores” e outras armas alienígenas variadas, forçando os americanos a apelarem para aniquilá-los com bombas nucleares. Embora não haja nenhuma evidência de que isso aconteceu, e apesar de a Operação Highjump ter ocorrido em nenhum lugar em que os alemães já estivessem, e também que nenhum dos 11 jornalistas incorporados à operação fez a menor referência para um evento tão estranho, essa conspiração permaneceu obstinadamente enraizada nos contos assustadores. Somente para acrescentar a toda a conspiração foi a presença persistente de tropas britânicas na Antártica nos anos após a Segunda Guerra Mundial, que foram vistos como especificamente para lutar contra os nazistas restantes, muitas vezes se unindo aos americanos para fazê-lo.

Independentemente de suas muitas permutações, os rumores de bases nazistas secretas na Antártica se recusaram a morrer, e apenas aumentaram a velocidade nos anos após a guerra, ajudados por uma série de rumores e boatos. Em um livro estranho de 1962, de Albert Bender, chamado Flying Saucers e The Three Men, o ex-veterano da Força Aérea afirmou ter sido abduzido por alienígenas e levado para uma base secreta na Antártica, que foi povoada pelos descendentes dos seres reptilianos que originalmente haviam construído a instalação. Esses alienígenas disseram-lhe que, depois da Segunda Guerra Mundial, os alemães também estiveram lá e que haviam compartilhado sua tecnologia com eles. É tudo muito estranho para se ter certeza, mas esta e outras histórias como ela ajudaram a estimular ainda mais as teorias de conspiração.

As histórias de uma base nazista na Antártica continuaram até o presente. Embora tenham sido desmascaradas consistentemente, elas simplesmente se recusam a ir embora. Tudo é bizarro, para dizer o mínimo, e certamente há muito mais sobre isto do que eu relatei aqui, mas esta é apenas uma breve história, e o objetivo deste artigo não é focar apenas na ideia de uma base antártica nazista, mas sim numa estranha história ligada à lenda, que foi originalmente publicada na Nexus Magazine, Vol. 12, # 5; agosto-setembro de 2005, e que envolve bases nazistas na Antártica, forças especiais SAS britânicas e Bigfoot (abominável homem das neves).

A história é relatada por uma pessoa que afirma ter sido um oficial SAS, e que, em outubro de 1945, ele foi convocado para participar de uma missão tão secreta que até mesmo seu comandante não tinha ideia do que realmente estava acontecendo. Depois de uma parada em Gibraltar, ele foi levado com uma unidade especial para as Ilhas Falkland, e que as tropas foram ordenadas a manterem total silêncio, proibidas de falar entre si ou especular sobre por que estavam lá. Ao chegarem às Ilhas Falkland, eles passaram um mês envolvidos em treinamento de combate intensivo e extenuante em condições frias de inverno e guerra ártica, sob um norueguês que já havia servido na resistência norueguesa.

No final deste regimento de treinamento infernal, o grupo finalmente foi informado corretamente sobre seu verdadeiro propósito, Bing disse que eles foram recrutados para uma missão ultra-secreta para investigar uma atividade anômala relatada na época de uma base britânica na Antártica em Maudheim , no leste daquele continente, além de acabar com a suposta base alemã situada lá embaixo do gelo, que foi referida como “Guerra Secreta da Grã-Bretanha”. Eles foram informados sobre a base secreta alemã localizada perto da base Maudheim britânica e informados sobre as várias atividades e movimentos alemães na região, bem como sobre os numerosos funcionários alemães que supostamente foram sequestrados no complexo subterrâneo.

As coisas ficaram cada vez mais estranhas quando as instruções continuaram. O grupo foi informado de que os cientistas originais estacionados na base e sua comitiva armada haviam afirmado que encontraram um túnel que levava sob o gelo, seguido de falas no rádio sobre “homens polares, túneis antigos e nazistas”, isso logo após que este contato com a base britânica havia sido perdido depois de uma última transmissão ameaçadora alegadamente proclamando que “os homens polares nos encontraram!” As forças especiais lá reunidas foram informadas de que eles seriam os primeiros a investigar por que o contato de rádio havia sido perdido com a base e quem eram os “Homens Polares”, o que soava como uma proposta bastante assustadora, e que ninguém presente se sentia confortável.

Eles também foram informados de que grandes esforços estavam sendo feitos para garantir que os americanos e os russos não obtivessem conhecimento da existência de uma base nazista na Antártida. A unidade foi então enviada pela paisagem gelada e sombria da Antártica para um ponto de entrega remoto, localizado a cerca de 20 milhas (32 quilômetros) da Base Maudheim britânica, tudo sob silêncio completo de rádio. Uma vez no solo, eles estavam por conta própria, a única assistência proporcionada por alguns tratores de neve deixados para serem usados. Eles seguiram o caminho através do terreno gelado e inóspito, sempre cautelosos a respeito de um ataque inimigo, até chegarem à suposta entrada da base abandonada. Embora eles esperassem que o lugar tivesse muita atividade, ele foi encontrado estranhamente silencioso, mesmo desprovido de vida. A testemunha descreveu o que aconteceu então, assim:
Instantaneamente, nossas suspeitas foram despertadas, mas, assim como todas as campanhas anteriores que lutei durante a guerra, tivemos um trabalho a fazer e, assim, nossos medos pessoais não poderiam afetar o nosso julgamento. Quando nos separamos para procurar a base, um fio de alarme foi disparado e uma sirene soou, destruindo o silêncio e surpreendendo toda a força. Um grito logo foi ouvido, exigindo que nos identificássemos, mas a voz não poderia ser localizada. Com nossas armas levantadas, o Major nos apresentou à voz, e depois, felizmente, a voz recebeu um corpo. A voz pertencia a um sobrevivente solitário, e o que ele divulgou nos deixou mais ansiosos e desejamos que houvessem mais tropas entre nossas fileiras.
O que esse sobrevivente solitário disse a eles era que havia outro sobrevivente em “Bunker One“, onde ele estava preso com um dos “Homens Polares”. A unidade decidiu tentar abrir caminho para este Bunker One e tentar abri-lo, sob as objeções do sobrevivente que encontraram. Eles se aproximaram da porta do bunker isolado, perguntando-se sobre o tipo de horrores que poderiam estar dentro, e discutiram entre eles quem seria o primeiro a entrar. A testemunha diz o que aconteceu em seguida:
Felizmente, não fui selecionado para entrar; essa honra foi concedida ao membro mais jovem da nossa unidade. Ele prosseguiu, hesitando ligeiramente enquanto lutava com a porta. Uma vez dentro, um silêncio desceu por sobre toda a base, seguido momentos depois por dois tiros. A porta foi aberta e o Homem Polar correu para liberdade. Nenhum de nós estávamos esperando o que vimos, e o Homem Polar tinha fugido para o terreno circundante tão rapidamente que apenas alguns tiros foram disparados. Por medo e pavor pelo que vimos, todos decidimos entrar no bunker. Entramos, e dois corpos foram encontrados. O soldado que tinha puxado a palha curta foi encontrado com a garganta arrancada e, mais hediondo, o sobrevivente tinha sido despojado até os ossos.

A morte de um deles, tão logo após a chegada, desestabilizou e irritou a unidade, e eles implacavelmente questionaram o sobrevivente que encontraram para obter mais respostas. Eles perguntaram-lhe por que o homem morto que eles encontraram estava preso no bunker em primeiro lugar, e o sobrevivente assustado escolheu contar a história desde o início. Descobriu-se que a área em que se encontravam era um dos “vales secos” da Antártica, desprovido de gelo e neve, o que facilitou a descoberta do “antigo túnel”. Depois disso, foi enviada uma equipe para ver onde o túnel levava, e ele se estendia por quilômetros antes de terminar em uma vasta caverna que era supostamente aquecida consideravelmente, talvez por ação geotérmica.

Quanto mais profundamente a expedição entrava na caverna, mais descobertas faziam. Parecia que os nazistas haviam estado lá, pois instalaram iluminação artificial e construíram hangares e docas para submarinos nos lagos subterrâneos que foram encontrados espalhados, além de escavações inescrutáveis no escuro com propósitos desconhecidos. Alguns nazistas aparentemente ainda estavam vagando, enquanto eles procediam a capturar e matar vários dos sobreviventes da expedição. Os demais membros da expedição fugiram e tentaram bloquear o túnel, e foi quando os Homens Polares desceram sobre eles, gerando a misteriosa última mensagem. As criaturas em questão foram descritas como sendo de estatura forte, bestas peludas com uma mistura de características de macacos e humanos, e possuindo força e velocidade sobrenatural.

A unidade conseguiu recuar e voltar para sua base, mas eles se separaram em diferentes bunkers. Um desses sobreviventes conseguiu atrair um dos Homens Polares para o seu bunker e trancá-lo, o que mais tarde levou à morte e à destruição de seu equipamento de rádio. O sobrevivente balbuciante então disse cripticamente à unidade SAS que esses homens polares eram o resultado de um experimento nazista, embora não existissem mais detalhes.

Esta revelação foi imediatamente derrubada pelo cientista da unidade como sendo besteira, mas os outros a consideraram e queriam saber o que os “Homens Polares” queriam, ao que receberam a resposta sinistra: “esperar, assistir e imaginar o quão diferente é o nosso gosto”. Com esta revelação alarmante, uma guarda foi supostamente criada para vigiar, e no dia seguinte foram ordenados a investigar o túnel. Eles chegaram à entrada no vale seco que o sobrevivente lhes havia contado, e a testemunha disse:
Ao chegar no vale seco, todos ficamos maravilhados, pois nos disseram que a Antártica estava completamente amarrada ao gelo e, no entanto, aqui estávamos em um vale que me lembrou estar de volta ao Sahara no Norte da África. Fomos proibidos de aproximar-nos do túnel até o campo de base temporário ter sido erguido; e enquanto os homens construíam a base, o cientista e o Major investigaram o túnel.
Depois de algumas horas, eles voltaram para o acampamento agora completo para relatar o que tinham visto e qual seria o nosso próximo plano de ação. O túnel não era uma passagem antiga, afirmou o cientista, embora o Major acrescentasse que as paredes eram feitas de granito liso e pareciam infinitas. Fomos informados de que poderíamos fazer nossas próprias presunções depois de descansarmos a noite.
Infelizmente, naquela noite, essas criaturas estranhas viriam para eles na escuridão, e uma delas aparentemente foi alvejada e morta quando se arriscou muito perto. O cientista da equipe verificou que a coisa era uma espécie de humano cabeludo, adaptado ao frio, e o cadáver foi supostamente colocado no gelo para mais tarde ser estudado. Quando chegou a manhã, o Major, a testemunha e o sobrevivente entraram no túnel com um pequeno contingente de homens enquanto os outros esperavam para se protegerem de novos ataques e manter o misterioso cadáver. Eles finalmente chegaram à caverna que o sobrevivente havia falado, que foi iluminada artificialmente como descrito, e eles tiveram que ter o cuidado de permanecer nas sombras e se esconder das várias forças nazistas que estavam por lá, quando lentamente colocavam minas e explosivos . A unidade foi aparentemente avistada e perseguida, tanto pelos soldados nazistas, quanto pelos homens polares semelhantes aos macacos, e a testemunha descreveu a próxima parte do conto, assim:
Ao chegar ao túnel, precisávamos colocar um obstáculo no caminho para abrandar nosso inimigo o suficiente, para que as minas detonassem. Algumas minas foram colocadas na entrada do túnel, e quando as explosões foram ouvidas, esperávamos que não apenas a base tivesse sido completamente destruída, mas também as forças inimigas que nos perseguiam. Estávamos errados. As minas realmente fecharam o túnel, mas, para aqueles nazistas e homens polares atrás, a perseguição ainda estava ativada. Em luta de retirada, apenas três dos 10 escaparam do túnel: o norueguês, o cientista e eu. O resto tinha caído galantemente para assegurar-se de que alguma parte do grupo tivesse sobrevivido.
A unidade supostamente conseguiu escapar para a entrada do túnel e fechá-lo para sempre com explosivos, deixando pouca evidência de que esteve lá. A unidade foi subsequentemente dissolvida e tomaram seus próprios caminhos, depois de terem sido informados de que estavam estritamente proibidos de discutir o que tinham visto. O cientista da equipe continuaria tentando explicar tudo, dizendo que os Homens Polares eram apenas “soldados insanos”, mas o resto do grupo sabia melhor. A missão, entretanto, foi varrida sob o tapete e nunca foi oficializada.

É tudo um relatório muito dramático e cheio de imagens bastante cinematográficas, mas foi realmente relatado como sendo real, e eu não o enfeitei. Tenho que dizer que é uma das histórias mais extensas que já vi, e você pode ler uma transcrição mais completa deste relato aqui (em inglês). Esta poderia ter sido uma história completamente fabricada, ou apenas um dos muitos contos nazistas estranhos, mas certamente é uma leitura bastante interessante. Entenda como quiser. Por mais ridículo que este relatório possa parecer, ele serve para adicionar ainda outro conto estranho ao já existente amontoado de contos nazistas. Os nazistas apenas têm uma maneira de atrair esses contos para eles, e eles se tornaram os perfeitos vilões e objetivos de conspiração por décadas. Entre todos os contos e conspirações estranhos, eu teria que dizer que as criaturas similares ao Bigfoot em uma base secreta na Antártida tem que se classificar muito alto na classificação do bizarro.

Fonte: OVNIHoje

0 comentários:

Postar um comentário

Custom Search