loading...

terça-feira, 11 de abril de 2017

Desaparecimentos


É normal que um de nossos pertences desapareçam de vez em quando, mas se trata do desaparecimento de pessoas, é estranho e inquietante. Algumas tomam a decisão de desaparecer e recomeçam a vida de novo, outras desaparecem depois de guerras ou acidentes. Na maioria os casos são esclarecidos, por vezes depois de muitos anos, outros permanecerão  para sempre Misteriosos...

TRIÂNGULO DAS BERMUDA

O Triângulo das Bermudas, uma região da parte ocidental do Atlântico Norte, é definido pelos seus pontos em Bermuda, Flórida e Porto Rico. A área tem uma longa reputação de misteriosamente engolir barcos, navios e até aviões.
Algumas pessoas acreditam que a região contém um buraco para outra dimensão, enquanto outros dizem que a área é um local de atividade OVNI e que alienígenas estariam abduzindo os barcos perdidos.
A primeira vez que o Triângulo das Bermudas atraiu atenção foi em dezembro de 1945, quando cinco aviões da marinha dos Estados Unidos desapareceram durante um exercício de treinamento. Antes de perder contato com o rádio e desaparecer em algum lugar ao largo da costa do sul da Flórida, o líder do voo teria dito: “Estamos entrando em águas brancas, nada parece familiar”. Nunca mais se ouviu falar dos 14 homens. Mesmo a aeronave de busca e resgate com 13 homens a bordo, enviada para localizar os aviões desaparecidos, também desapareceu inexplicavelmente.
Desde então, o desaparecimento de embarcações na área, incluindo um navio-tanque americano transportando uma tripulação de 39 pessoas em 1963, e um navio americano com 309 tripulantes em 1918, ficaram conhecidos e o Triângulo das Bermudas virou tópico de assombração.

MAR DOS SARGAÇOS 

Não há costa no Mar dos Sargaços, uma região no meio do oceano Atlântico Norte cercada por correntes oceânicas. As correntes marinhas depositam plantas e lixo no Mar dos Sargaços, fazendo com que seja cheio de sargaços, um gênero de alga marrom denso e invasivo. Devido ao acúmulo de algas e ao isolamento criado pelas correntes, o mar permanece estranhamente quente e calmo, apesar de estar rodeado por águas geladas e agitadas.
A estranha calma contribui para o mistério da área, já que vários navios foram encontrados à deriva, sem nenhuma tripulação, nas suas águas pacíficas. Em 1840, o navio mercante francês Rosalie navegou pelo Mar dos Sargaços e foi descoberto mais tarde com suas velas em pé, mas sem tripulantes a bordo. Em um esforço para explicar os desaparecimentos misteriosos, o folclore do século XIX dizia que as algas do mar eram carnívoras, e devoravam os marinheiros, deixando somente os navios.

MAR DO DIABO, JAPÃO


O Mar do Diabo, também conhecido como “Triângulo das Bermudas do Pacífico” ou “Triângulo do Dragão”, por causa de antigas lendas sobre dragões que viviam na costa do Japão, é uma região do Pacífico em torno da ilha Miyake, ao sul de Tóquio.
Durante o final de 1980, o autor Charles Berlitz escreveu o livro “O Triângulo do Dragão” sobre fenômenos paranormais que ele acreditava ter ocorrido no Mar do Diabo. Ele escreveu que o Japão perdeu cinco embarcações militares com um total de mais de 700 velejadores durante os anos entre 1952 e 1954, e que a área foi declarada oficialmente uma zona de perigo.
Investigações posteriores sobre as alegações de Charles descobriram que os navios eram na verdade de pesca, alguns dos quais haviam desaparecido fora do Mar do Diabo. Além disso, os pesquisadores apontaram que, durante o período de tempo em que os navios desapareceram, centenas de barcos de pesca se perderam ao redor do Japão devido às condições meteorológicas e à pirataria – não por causa de atividade sobrenatural ou dragões míticos. Ainda assim, a reputação do Mar do Diabo como uma área perigosa permanece.

TRIÂNGULO DE MICHIGAN


O Triângulo de Michigan fica no lago Michigan, cujo litoral se estende pelos estados americanos de Illinois, Michigan, Indiana e Wisconsin. Obviamente não é um ponto oceânico como diz o título do artigo. A área tem sido responsabilizada pelo desaparecimento misterioso de navios e aviões e suas tripulações inteiras.
Alguns relatam que, enquanto navegavam ao longo do Triângulo, o tempo parecia ter parado, ficado mais lento ou acelerado. Em 1937, o desaparecimento do capitão George Donner criou de vez o status de lugar estranho ao Triângulo de Michigan. Durante uma entrega de carvão de rotina, Donner deu ordens para sua equipe acordá-lo quando o navio fosse chegar ao porto. Três horas depois, os marinheiros foram a sua cabine, mas Donner tinha desaparecido, apesar do fato de que a porta da cabine estava trancada por dentro. Em 1950, o voo 2501 da Northwest Airlines desapareceu enquanto voava de Seattle sobre o Triângulo de Michigan, com destino a Nova York. Com 58 pessoas a bordo, o avião sumiu no ar. Os passageiros e o avião nunca foram encontrados novamente


O MISTERIOSO DESAPARECIMENTO
DOS FAROLEIROS


A luz do farol das Ilhas Flannan costumava piscar duas vezes a cada 30 segundos. Em dias de bom tempo, era possível enxergá-la a 20 milhas de distância, embora o arquipélago, localizado na Escócia, normalmente fosse encoberto pela neblina. Uma equipe formada por três homens guardava essa fortaleza particular de 23 metros de altura – havia uma troca de integrantes a cada duas semanas. Em 7 de dezembro de 1900, James Ducat chegou ao local para mais 14 dias de trabalho. Seu assistente, William Ross, estava doente e foi substituído por Donald MacArthur. O trio estava completo com o segundo assistente Thomas Marshall. Durante o período, a ilha ficou encoberta por um nevoeiro e, no dia 15, o navio SS Archtor se aproximava da ilha, mas nenhuma luz foi emitida pelo farol. Em 26 de dezembro, os tripulantes do navio SS Hesperus descobriram que não havia ninguém no local, gerando um mito em torno deste mistério.
Três guardas ingleses responsáveis por manter aceso o farol da ilha de Flannan, sumiram sem deixar vestígios.
 
Os homens se revezavam a cada 14 dias no farol. Uma equipe de 4 saía e outra chegava por navio.
A ilha é minúscula e está no meio do oceano. Não há terra nas proximidades nem onde se esconder. Além disso o acesso à ilha é dificílimo em função das rochas e encostas pontiagudas.
Como três homens desaparecem da única construção nesta ilha distante? As roupas estavam em seus lugares, os pratos e a mesa postos.
Em 7 dezembro, 1900, James Ducat, o zelador do farol chegou na ilha para recomeçar seu trabalho. Seu primeiro assistente, William Ross, tinha passado mal e um homem local, Donald Macarthur, acabou assumindo seu lugar. Macarthur era um zelador ocasional, que trabalhava lá somente quando os membros regulares do grupo tinham algum problema. Thomas Marshall, o segundo assistente completava o trio.
Na embarcação que os levava para a ilha, estava também Robert Muirhead, o superintendente dos faróis. As inspeções rotineiras eram uma parte de seu cargo e Muirhead gostava de manter um controle rígido dos homens sob sua supervisão. O superintendente ficou algum tempo no farol, verificando que tudo estava em perfeita ordem. Teve uma discussão breve com o zelador principal a respeito das melhorias na monitoração do farol. Ele então encerrou o relatório de campo. Cumprimentou cada homem e partiu. O superintendente foi a última pessoa que os viu.
Durante a semana seguinte, como era a prática padrão, o farol foi mantido sob a observação periódica da terra. Um telescópio era apontado da costa para a ilha de Flannan em intervalos regulares. Em caso da emergência, os zeladores do farol poderiam içar uma bandeira apropriada e o auxílio seria imediatamente enviado a eles via barco. Durante os dias que se seguiram, o farol foi obscurecido frequentemente pela névoa. Era este problema que o superintendente e Muirhead tentaram resolver na última visita dele ao farol em 7 dezembro.
Durante as duas semanas depois, uma névoa pesada envolveu o farol. O farol não seria visível outra vez da base da marinha na costa até o dia 29 dezembro. Em geral quando acontecia isso era mais fácil ver de noite, porque a luz do farol auxiliava. A lâmpada estava visível no 7 dezembro, mas foi obscurecida pelo mau tempo nas seguintes quatro noites. Ela foi vista outra vez no 12 dezembro. Após aquele dia, não se viu mais nada.
No 15 dezembro, o navio SS Archtor estava na vizinhança do farol. Perto da meia-noite, o capitão Holman olhou para fora da plataforma do steamer, esperando travar um flash que fosse da luz do farol da ilha de Flannan, como era usual. Holman estava próximo bastante ao farol e dispunha de tempo suficientemente para certificar-se de vê-lo. Mas nenhuma luz era visível. A embarcação de auxílio de Breasclete não conseguiu chegar ao farol em 21 dezembro. O mau tempo impediu que o navio se aproximasse dos penhascos de rocha. As ondas e o vento estavam muito fortes. Isso impediu a chegada da equipe de resgate ao faro até cinco dias depois.
Como era de praxe protocolar, o grupo de funcionários do farol deveria recepcionar o navio em um pequeno bote para ajudar aos homens que os substituiriam. Uma bandeira era erguida para mostrar ao grupo do encarregado que os homens do farol davam as boas-vindas aos seus substitutos. Isso acontecia costumeiramente, mas naquele dia não havia homens, nem bote, muito menos a bandeira. O capitão Harvie, no barco Hesperus, deu ordens para soar a sirene. Mas não havia nenhuma resposta.

Sem resposta eles viram que teriam que entrar na ilha sem ajuda. Isso tornou muito mais difícil o trabalho deles, pois era uma área de maré agitada.

Os homens escalaram uma parte da rocha até chegar na corda que era usada para auxiliar na subida pela encosta da ilha. Os homens se arriscaram e chegaram ao farol.
A porta exterior do farol estava trancada. Por sorte, Moore tinha consigo uma cópia do jogo de chaves. Ele destravou o edifício entrou. O lugar estava deserto. Não havia nenhum sinal do Ducat, do Marshall ou do Macarthur. O relógio na parede interna tinha parado. Não havia nenhum fogo na lareira e todas as camas estavam vazias e arrumadinhas. Uma refeição tinha sido preparada mas, mas estava sob a mesa, intacta.
Moore apressou-se correu de volta até a área de desembarque. Ofegante, explicou a McCormack que o grupo havia sumido no ar como mágica. O segundo ajudante juntou-se a eles em terra e juntos os dois homens montaram uma busca completa na ilha do farol. Nem sinal dos homens. Tinham desaparecido.

Moore e McCormack voltaram ao barco e deram ao capitão Harvie a má notícia. Este, instruiu o terceiro assistente retornar ao farol com os três outros, para que tomassem conta da manutenção provisória do farol antes que acontecesse alguma tragédia.


Enquanto isso, o Hesperus retornaria a Breasclete para informar as autoridades o ocorrido.
Um telegrama foi emitido por Harvie à secretária dos comissários do norte do farol mais tarde que o mesmo dia, informando o desaparecimento dos funcionários.

Na ilha Flannan, Joseph Moore e seu parceiro fizeram uma busca ainda mais rigorosa pelo farol e um retrato dos eventos começou logo a emergir. Ao que puderam observar, tudo correu bem no farol até a tarde de 15 de dezembro. O diário de bordo do faroleiro era fundamental para a investigação. O diário estava intacto, com dados detalhadas dos procedimentos e relatórios de cada dia até o dia 13. O chefe da zeladoria do farol havia também esboçado parte do relatório dos dias 14 e 15 em uma folha solta. Pelos registros, houve uma tempestade no dia 14, mas que na manhã seguinte já havia perdido a força. Não havia nenhuma indicação de nenhum problema adicional.
Até hoje inúmeras teorias, como ondas gigantes, loucura suicida coletiva, abdução alienígena e monstros marinhos são as possibilidades para justificar o misterioso desaparecimento desses três homens.

O Último voo de Amelia Earhart 

O Lockheed Electra 10E foi o escolhido para esse voo. Este obedecia a duas grandes premissas: Seria a primeira mulher a fazê-lo, viajaria a distancia mais longa possível, circunavegando o planeta pelo Equador. Fredrick Noonan, um antigo navegador da Pan American Pacific Clipper, foi selecionado como navegador por estar familiarizado com a área do Pacífico. O primeiro troço da viagem seria de Oakland ao Hawaii em 17 de Março de 1935. Quando Amelia descolava do aeródromo Luke perto de Pearl Harbor, ao compensar demasiado a asa direita o avião oscilou violentamente à esquerda fora de controle.

Como a travessia teria de se realizar mais tarde no ano devido ao acidente, Amelia teve de alterar o plano de voo para Leste devido às condições meteorológicas nas Caraíbas e em África. Logo que lhe entregaram o Electra reconstruído, partiu de Los Angeles, Califórnia, na direção da Flórida, em 21 de Maio de 1937. "Creio que só me falta um êxito de voo, e espero que este seja esse. De qualquer maneira, quando terminar este trabalho, penso retirar-me destes voos de "malabarismo de larga distancia".
No dia 01 de Junho de 1937, Amelia e o seu navegador Fred Noonan partiram da Florida para a primeira escala em San Juan, Puerto Rico... e dali por todo a costa do Noroeste da América do Sul e posteriormente até África e o Mar Roxo. O voo a Karachi foi outra inovação... Ninguém antes havia voado sem escalas do Mar Roxo até à Índia. Depois de Karachi, o Electra voou para Calcutá a 17 de Junho... e dali a Rangoon, Bangkok, Singapura e Bandoeng. Uma monção impediu que saíssem de Bandoeng por vários dias. Aqui se fizeram reparações em vários dos instrumentos de navegação de "larga distancia" que previamente tinham dado alguns problemas.

Ao mesmo tempo, Amelia adoeceu duma disenteria que durou vários dias. Foi só em 27 de Julho que Amelia e Noonan puderam abandonar Bandoeng com rumo a Port Darwin, Australia. Em Darwin, o horizonte artificial foi reparado, e os para-quedas foram empacotados e enviados para casa. Não teriam nenhuma utilidade sobre o Pacífico. Amelia chegou a Lae, na Nueva Guiné, a 29 de Junho. Até este ponto tinham voado 22,000 milhas, faltavam 7,000 mais por recorrer... todas sobre o Pacífico. Amelia enviou seu último artígo por cabo para o Herald Tribune. Nas fotografias, era parecia muito cansada e doente. O paquete da guarda costeira dos Estados Unidos, o Itasca, tinha estado estacionado nas ilhas Howland por vários dias para operar como contacto de rádio. As comunicacões de rádio na área eram muito deficientes e o Itasca estava sobrecarregado de trabalho com o tráfego comercial de rádio que o voo tinha gerado. 

Amelia abandonou Lae precisamente às 00:00 horas (TMG) no dia 2 de julho. Julga-se que o Electra foi carregado com 1,000 galões de combustível, que permitiam uma autonomia de voo de 20 a 21 horas. Às 07:20 horas GMT, Amelia transmitiu um relatório de posição que dava o Electra a umas 20 milhas a Sudoeste das ilhas Nukumanu. Ao que se sabe, o último relatório do estado do tempo que Amelia recebeu, foi antes da descolagem. O vento tinha aumentado de intensidade 10 ou 12 milhas por hora desde então, mas não se sabe se ela recebeu esta informação. Às 08:00 GMT, Amelia enviou a sua última mensagem para Lae. Reportou uma rota para as ilhas Howland a 12,000 pés de altitude. Não existe nada de real sobre a rota precisa depois de Nukumanu.




Nunca mais ninguém viu ou ouviu o voo do avião.

O voo 19


Triângulo das Bermudas: O voo 19



 O voo 19 foi o primeiro desaparecimento a ser noticiado pela mídia, em 1945, quando cinco aviões Avengers da marinha norte-americana desapareceram no que então ficou conhecido como o Triângulo das Bermudas, que é uma área de mais ou menos 1,1 milhão de km², que fica no Oceano Atlântico entre as ilhas Bermudas, Porto Rico e Fort Lauderdale na Flórida.

Uma esquadrilha de cinco aviões TBF Avenger partiu em um dia claro com cinco pilotos, o experiente Tenente Charles Taylor e quatro alunos. Em um determinado momento, a torre começou a receber transmissões do líder do vôo dizendo que estavam perdidos, que as bússolas ficaram malucas e que "tudo parecia errado".

Os aviões decolaram às 14h15min da Base Aero-Naval de Fort Lauderdale, e as 15h40min, o tenente Robert Cox, que estava sobrevoando a cidade, ouviu um sinal de um barco ou avião em perigo. Então ele contatou a estação aérea da marinha para relatar o que acabara de ouvir. Cox começou, via rádio, a orientar Taylor para voar com o sol na sua asa esquerda até que avistasse Miami. Taylor respondeu que seu grupo estava sobrevoando uma pequena ilha, que ele não tinha certeza qual era, e que só viam mar por todos os lados.

Com menos de duas horas de combustível, Taylor descreveu uma grande ilha. Se achou então que se tratava da Ilha de Andros, nas Bahamas. O serviço de operações então enviou coordenadas que o orientariam até Fort Lauderdale. E estas coordenadas pareciam estar corretas, pois a voz de Taylor começou a ficar mais forte no rádio. Taylor não acreditou que esse rumo estivesse correto e, após alguns minutos, contornaram novamente e seguiram para o Leste.

As 17h29min, o pôr do sol e a chegada de um mau tempo, tornaram a situação dos Avengers ainda mais difícil. As transmissões começaram a perder força, pois aparentemente estavam se afastando do alcance do rádio.

Então, um hidroplano Martin Mariner, da base de Dinner Key, decolou para o rumo nordeste às 18h20min, numa tentativa cega para restabelecer contato. O Mariner após 20 minutos de voo perdeu a comunicação com o litoral, e nunca mais foi localizado.

A última transmissão de Taylor fora ouvida às 19h04min, depois disso, todos foram dados como desaparecidos. No dia seguinte, centenas de aviões e navios foram procurar em alto-mar, mas não encontraram vestígios dos Avengers e do Mariner. Não foram encontrados na ocasião, nem depois... 


Fonte: Portugal Misterioso

0 comentários:

Postar um comentário

Custom Search